Turismo do Oeste apela a deputados para mudar proposta de lei

  • Imprimir

Turismo do Oeste faz apelo a deputados e empresários para mudar proposta de lei Num jantar que reuniu na segunda-feira, em Óbidos, deputados, empresários e autarcas da Região Oeste, o presidente do Turismo do Oeste, António Carneiro, apelou à alteração da proposta de Lei da organização regional do Turismo, que está para aprovação na Assembleia da República, afirmando que "não o fazer é um grave erro turístico".

 

"As Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto estiveram sempre, pelas suas características de metrópole, à margem do movimento de regionalização turística, tendo sido, com inegável êxito capazes de encontrar soluções alternativas, com a Associação Turismo Lisboa (ATL) a organizar e dinamizar essa diferença", destacou António Carneiro, em defesa da criação de uma Entidade Regional de Turismo para o Oeste e Vale do Tejo e a contratualização de todas as competências da ATL relativamente ao território da Área Metropolitana de Lisboa.

Em representação da Associação Turismo de Lisboa (ATL), Mário Machado relembrou que há cerca de dez anos, a ATL assumiu as suas funções de promoção internacional da área promocional de Lisboa – território da NUT II e o atual pólo de Leiria/Fátima –, "porque o Governo de então considerou ser essa a solução mais adequada".

Neste período, o número de quartos na área promocional aumentou 72 por cento, enquanto na Cidade, cresceu 25 por cento. Por outro lado, o número de hóspedes aumentou 47 por cento, na área promocional, e 31 por cento na Cidade.

"Daí que, no âmbito da preparação da reforma, tenha sido possível e fácil chegar a um consenso quanto à melhor solução: a criação de uma entidade regional para o Oeste e Vale do Tejo, que não abranja o território da Área Metropolitana de Lisboa e, a atribuição à ATL de todas as competências, por via contratual, para o território da área metropolitana de Lisboa", destacou o presidente-adjunto da ATL, acrescentando que "foi esta solução que mereceu, inicialmente, o acordo do Governo".

Mário Machado apelou aos deputados da AR para que alterem a atual versão da proposta de Lei, "consagrando a solução consensual obtida entre públicos e privados". O presidente-adjunto da ATL terminou a sua intervenção afirmando que "insucesso da reforma seria a existência de duas entidades, uma associativa – a ATL – e outra pública, para fazerem exactamente o mesmo, no mesmo território. Isso ninguém compreenderia".

Fonte: Turismo de Lisboa