RssFacebook StoreTwitter Store

Cecília Meireles: "vender, vender, vender"

Cecília MeirelesO turismo em Portugal aposta nas vendas e na requalificação do sector para se adaptar ao novo contexto económico global. Numa entrevista à revista Turismo de Lisboa, de que aqui apresentamos uma síntese, Cecília Meireles, secretária de Estado do Turismo, explicou as grandes mudanças.


Que balanço faz desde que tomou posse? O que foi feito e o que ainda há a fazer para dinamizar o Turismo, o maior exportador de serviços do país?

Ao longo deste ano, muito foi feito. No que diz respeito à promoção, houve necessidade de implementar uma mudança de paradigma, nomeadamente no que concerne ao enfoque, que anteriormente estava concentrado na oferta e que, agora, está focado na procura. Neste sentido, toda a Promoção Externa do Turismo de Portugal sofreu uma adaptação. Hoje, a operação prende-se mais com ações de comercialização e venda, ações mais táticas e mais assertivas junto dos nossos públicos-alvo. Do ponto de vista do investimento houve também uma enorme mudança de orientação política. Todos os esforços estão dirigidos para a reabilitação e requalificação, em detrimento de uma aposta excessiva em novos investimentos que trouxe, ao país e ao sector, problemas muito sérios e que houve a necessidade de corrigir, problemas que eram, e continuam, a ser urgentes de resolver.

Quais serão as principais linhas orientadoras para o Turismo, considerado o setor que mais contribui para o desenvolvimento da economia portuguesa?

Na primeira linha, “vender, vender, vender!”. A nossa aposta tem que ser na captação de turistas para Portugal e rentabilizar o investimento que já foi feito. Se não houver um trabalho muito profundo sobre esta questão não conseguiremos recuperar este investimento, portanto, essa tem que ser a primeira prioridade. Em segundo lugar, novos investimentos: reabilitação, requalificação e restruturação do sector.

Sendo a sazonalidade característica de alguns destinos nacionais, de que forma deverá ser combatida?

De duas formas fundamentais: primeiro, na diversificação de produtos e/ou complementaridade de produtos – o Golfe, o Turismo de Saúde, o Turismo Residencial e o Turismo de Natureza, são bons exemplos de produtos que complementam, por exemplo, o tão desejado Sol & Mar – e, em segundo lugar, a aposta muito forte naquilo que é o transporte aéreo, porque sem combater a disparidade de acessos e de rotas que há entre a época alta e a época baixa, também não é possível corrigir o problema.

Em termos de promoção externa, o que irá ser feito?

Estamos, neste momento, a preparar a promoção de 2013, muito baseada, como já foi referido, em ações táticas que comuniquem de forma assertiva com os nossos mercados, e que têm como objetivos a venda da nossa oferta e o ganho de escala de Portugal enquanto destino turístico. Para os mercados emergentes continuaremos a fomentar missões comerciais, que permitam quer uma aproximação institucional entre Portugal e esses países quer, simultaneamente, apoiar as empresas portuguesas do sector no início de relações com esses mercados.

Tendo em conta o facto de haver cada vez mais potenciais destinos turísticos concorrentes, o que será necessário fazer para que Portugal continue a ser competitivo?

Em primeiro lugar, preservar a nossa qualidade enquanto destino. 

Segundo, ganhar escala na promoção e distribuição. Terceiro, um grande esforço de simplificação e desburocratização, bem como diminuição dos custos de contexto das empresas do sector.


Fonte: RTL

 

Lisboa Vista de Fora

o-fado-e-a-razao-mais-melancolica-para-visitar-lisboaQuem o diz é o The Telegraph que publicou um artigo dedicado ao género musical português. De acordo com o jornal, o fado está na moda e, em Lisboa, há quatro maneiras de saber mais sobre esta arte: o palco Fado no NOS Alive, o Museu do Fado, o Clube de Fado e o Open Mic Fado.
traveler-espanha-destaca-piscina-do-nh-collection-liberdadeUm prazer focar o olhar e deter-se nos telhados e nas ruelas. É assim que é descrita a vista da piscina do NH Collection Liberdade, em destaque na edição online da Traveler Espanha.
lisboa-entre-os-destinos-preferidos-para-acolher-congressos-internacionaisLisboa subiu três lugares no ranking mundial das cidades e alcançou o top 10 das mais solicitadas para acolher congressos associativos internacionais em 2015, indicam dados agora divulgados pela ICCA – International Congress & Convention Association.