AHRESP indignada com manutenção de IVA a 23 por cento

  • Imprimir

logo-ahrespA AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal manifestou-se indignada com a manutenção do IVA a 23 por cento na restauração. A decisão foi tomada ontem, 27 de Novembro, pela maioria parlamentar na Assembleia da República.

O presidente da AHRESP, Mário Pereira Gonçalves, interroga-se sobre os reais propósitos do Governo e da maioria parlamentar, uma vez que as projeções feitas num estudo encomendado pela associação são claras. “A taxa de 23 por cento no IVA da restauração custará ao País, só em 2013, mais de 800 milhões de euros no agravamento das contas públicas” e 99 mil postos de trabalho, afirma.

Ao longo de meses, a AHRESP desenvolveu “uma estratégia de diálogo sério e construtivo com o Governo e as diferentes forças políticas, consciente dos resultados desastrosos que a taxa máxima de IVA estava já a provocar no sector no ano em curso e certa das consequências trágicas da eventual manutenção dessa taxa de IVA em 2013”, recorda Mário Pereira Gonçalves, presidente da Direção da AHRESP.

Já com uma petição pública entregue na Assembleia da República subscrita por mais de 34 mil empresários, a AHRESP entendeu fazer, com a anuência do próprio primeiro-ministro, um estudo que “veio confirmar em pleno as nossas mais pessimistas previsões”, recorda Mário Pereira Gonçalves, sublinhando que “os números apurados pelos especialistas autores do estudo revelaram-se tão aterradores para os empresários do sector como para as contas do Estado”. 

Fonte: AHRESP